Carregando...

Carregando...

Estrutura Tarifária do Grupo A

A estrutura tarifaria do Grupo A e um conjunto de tarifas que são aplicadas aos consumidores de energia elétrica de acordo com a modalidade de fornecimento.

Suporte Tendency
Menu principal Informações

A estrutura tarifaria do Grupo A é um conjunto de tarifas que são aplicadas aos consumidores de energia elétrica de acordo com a modalidade de fornecimento.

As tarifas do “Grupo A” são para consumidores atendidos pelas redes de Média e Alta Tensão, que vão de 2,3 a 230 quilovolts (kV), sendo estas as subclasses do Grupo A:

A1 para níveis de tensão de 230 kV ou mais;

A2 para níveis de tensão de 88 a 138 kV;

A3 para níveis de tensão de 69 kV;

A3a para níveis de tensão de 30 a 44 kV;

A4 para níveis de tensão de 2,3 a 25 kV;

AS para sistema subterrâneo.

Tarifas do “Grupo A”

As tarifas do “Grupo A” são construídas em três modalidades de fornecimento: Convencional, Horo-Sazonal Azul e Horo-Sazonal Verde.

Tarifa Convencional

É caracterizada pela aplicação de tarifas diferenciadas de consumo de energia elétrica e/ou de demanda de potência, de acordo com as horas de utilização do dia e dos períodos do ano.

Somente para consumidores que utilizam até 69 KV, com Demanda Contratada inferior a 300Kw, tem como objetivo estimular o consumidor a utilizar a energia elétrica de forma mais racional em períodos do dia e do ano.

 

No caso das tarifas diárias são derivadas em dois postos tarifários, sendo:

Tarifa “Ponta”: que corresponde a um horário classificado como “pico”, na maioria dos Estados fica entre as 18:00 e 21:00, essa tarifa pode ser até 10 vezes mais cara que nos demais horários;

Tarifa “Fora Ponta”: é referente as demais horas do dia, ou seja, das 21:01 até as 17:59 do outro dia, já essa tarifa tem um custo bem menor;

No caso das tarifas anuais, essa são estabelecidas em “período seco” e “período úmido”, sendo:

Tarifas “Período Seco” - (maio a novembro): os custos são mais caros, por circunstancias obvias, como não temos índices pluviométricos mais altos, se faz necessário para o complemento da demanda energética o acionamento das Termoelétricas, que além de poluentes tem um custo bem maior;

Tarifa “Período Úmido” - (dezembro a maio): os custos são menores, pois os reservatórios das Hidroelétricas tendem a estar nos níveis de normalidade, proporcionando energia de menor custo.

Tarifa Horo-Sazonal Azul

Essa modalidade é semelhante a Convencional no que se refere a dias e períodos do ano, ou seja, “Hora Ponto”, “Hora Fora Ponto”, “Período Seco e Úmido”.

As diferenças são:

É obrigatória para clientes que são atendidos com tensão de fornecimento igual ou superior a 69 KV.

 

Tem uma estrutura diferenciada de “Demanda Contratada” cobrada em R$/Kw, sendo:

 

Demanda Contratada de Potência;

Demanda Contratada para “Hora Ponta”;

Depara Contratada para “Hora Fora Ponta”.

 

Além do consumo de que é cobrado em R$/Mwh, separado pelas seguintes estruturas:

 

“Hora Ponta” em “Período Úmido”

“Hora Fora Ponta” em “Período Úmido”

“Hora Ponta” em “Período Seco”

“Hora Fora Ponta” em “Período Seco”

Tarifa Horo-Sazonal Verde

É caracterizada pela aplicação de tarifas diferenciadas de consumo de energia elétrica, de acordo com as horas de utilização do dia e dos períodos do ano.

 

Ou seja, “Hora Ponto”, “Hora Fora Ponto”, “Período Seco e Úmido”, pagando uma única tarifa de Demanda de Potência.

 

Essa modalidade é apenas para consumidores de até 69 KV, com Demanda Contratada inferior a 300Kw, onde o consumidor tem a prerrogativa de optar pela modalidade Azul ou Verde.

 

Sua estrutura é configurada da seguinte forma:

 

Demanda Contratada de Potência em R$/Kw (valor único);

 

Além do consumo de que é cobrado em R$/Mwh, separado pelas seguintes estruturas:

 

“Hora Ponta” em “Período Úmido”

“Hora Fora Ponta” em “Período Úmido”

“Hora Ponta” em “Período Seco”

“Hora Fora Ponta” em “Período Seco”